Categorias
Memória

Nepp-DH realiza pesquisa para escolha de diretor e vice

O Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos Suely Souza de Almeida (Nepp-DH) dá início a processo eleitoral, de forma a eleger a nova direção da unidade. Os professores Vantuil Pereira e Maria Celeste Simões Marques compõem a chapa “Avançar na Institucionalização do Nepp-DH”, única inscrita no pleito.

O Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos Suely Souza de Almeida (Nepp-DH) dá início a processo eleitoral, de forma a eleger a nova direção da unidade. Os professores Vantuil Pereira e Maria Celeste Simões Marques compõem a chapa “Avançar na Institucionalização do Nepp-DH”, única inscrita no pleito.

A atual diretora do núcleo, Mariléa Porfírio, explica que a pesquisa para indicação de diretor e vice acontecerá nos dias 29 e 30 de outubro, das 9h às 16h, na sala de reuniões do Nepp-DH. Estão aptos a votar servidores técnico-administrativos e professores lotados ou localizados na unidade. O sistema de apuração será paritário e o resultado será conhecido no final do dia 31. A reunião do Conselho Deliberativo que homologará a decisão da pesquisa e elaborará a lista tríplice para nomeação pelo reitor se dará no dia 6 de novembro.

Em entrevista ao Portal da UFRJ, Vantuil enumerou, como prioridades da chapa, a criação do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos, o debate sobre o curso de Relações Internacionais, a construção de políticas de ensino, pesquisa e extensão, e a relação da direção com os servidores técnico-administrativos. “O maior desafio é fazer do Nepp-DH uma referência em sua área de atuação”, afirma. O candidato ressalta que, a exemplo da atual gestão, o diálogo será uma ferramenta fundamental de construção coletiva. “Neste sentido, pensamos em fazer do nosso espaço um local de debate e discordância dentro do mais claro respeito à diferença”, completa.

Abaixo, a entrevista na íntegra:

Portal da UFRJ: Quais são as prioridades da chapa "Avançar na Institucionalização do Nepp-DH"?
 
Vantuil Pereira: Podemos indicar ao menos quatro grandes ações. A primeira diz respeito à formulação e construção do programa de pós-graduação do Nepp-DH. Entendemos ser esse um ponto crucial e que afirma a vocação do núcleo como referência para os direitos humanos. A segunda ação está relacionada ao curso de Relações Internacionais. Embora o Nepp-DH seja apenas um dos proponentes, entendemos que o curso deve dar maior atenção no que diz respeito ao número de funcionários para o atendimento aos alunos, na infraestrutura. Sob esse aspecto, vamos dialogar com as duas decanias proponentes para discutir os rumos do curso. A terceira prioridade relaciona-se à construção das políticas de ensino, pesquisa e extensão do núcleo. A ideia é aprimorarmos o que já tem sido feito. Neste sentido, podemos falar da apresentação de proposta de disciplinas de políticas públicas em direitos humanos, dentre outras, que podem ser ofertadas tanto para os diversos cursos de graduação da universidade quanto para programa de pós-graduação, ressalvando algumas especificidades. A quarta ação diz respeito à reafirmação da relação estratégica da direção com os servidores técnico-administrativos em educação (TAEs). Assim como o mandato da professora Mariléa Porfírio que se encerra, teremos uma gestão de portas abertas. Além disso, pensamos em proporcionar audiências públicas com os TAEs, de maneira que as demandas apresentadas por eles possam ser mais bem debatidas. Ao mesmo tempo, é nossa intenção realizar seminários de integração para que todos conheçam o que cada laboratório e/ou pesquisa está trabalhando.
 
Portal: Quais os principais desafios desta empreitada?

Vantuil: O maior desafio é fazer do Nepp-DH uma referência em sua área de atuação. Assim, construir o nosso programa de pós-graduação envolvendo todo o nosso corpo docente e técnico é de fundamental importância. A ideia é fazermos tudo isso de forma democrática, incorporando demandas de todos os setores, sem perder de vista os nossos objetivos gerais. Acho que outra questão é termos em mente que um núcleo de direitos humanos tem que ter o tema como um modo de ser. Neste sentido, pensamos em fazer do nosso espaço um local de debate e discordância dentro do mais claro respeito à diferença.
 

Portal: Como está o processo de criação do Programa de Pós-Graduação do Nepp-DH?

Vantuil: Ao longo dos últimos meses, demos alguns passos importantes. Ouvimos a Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Direitos Humanos, antigos diretores da Capes. Agora temos que enfrentar a etapa mais crucial, que é a de definir o que realmente queremos. Pensamos em estabelecer um calendário de modo que, até o início de 2014, possamos apresentar, junto aos órgãos responsáveis pela avaliação e aprovação de programas de pós-graduação, a nossa proposta.

Portal: A ideia é manter o curso de Relações Internacionais nas dependências do Nepp-DH? Quais os planos para ele?

Vantuil: O Nepp-DH é um dos proponentes do curso, mas não o único. Por outro lado, alguns espaços utilizados pelo curso são da alçada de duas decanias (CFCH e CCJE). É necessário que ocorra uma discussão séria com os dois centros sobre o futuro dessa graduação. Faremos os esforços que estiverem ao nosso alcance. Contudo, é preciso respeitar o regimento interno do curso e o que estabelece as regras da universidade para cursos multiunidades, isto é, não dá para o Nepp-DH assumir aspectos como a infraestrutura, o fornecimento de pessoal etc.
 

Portal: E o Centro de Referência de Mulheres da Maré? Há planos para a sua expansão? Quando será inaugurada a unidade na Cidade Universitária?
 
Vantuil: São duas coisas diferentes. Uma é o Centro de Referência de Mulheres da Maré (CRMM, localizado na Vila do João, Complexo da Maré). Iremos apoiar e garantir tudo o que for necessário para a continuidade do projeto que temos na Maré. Garantir, por exemplo, que a residência multidisciplinar seja efetivada de forma a assegurar a sustentabilidade do trabalho pioneiro e heroico da equipe que atua naquela comunidade. Outra é o Centro de Referência de Mulheres (CRM, que ficará sediado na Cidade Universitária). Os principais passos já foram dados. Restam a conclusão da obra e a chegada dos funcionários que  farão daquele espaço uma conquista de toda a sociedade carioca, sobretudo para as mulheres. Espero que tenhamos boas notícias até o final de 2012 ou começo de 2013.