Categorias
Memória

Inaugurada a Ponte do Saber

Após a inauguração da Ponte do Saber, a primeira estrutura do tipo na cidade, a estimativa é de que dois mil veículos cruzem por hora os 200 metros de vão livre (maior que o vão central da Ponte Rio-Niterói) no horário de rush.

Inauguração da Ponte do Saber. Foto de William Santos.O reitor da UFRJ, Carlos Levi, e o governador do estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, inauguraram na manhã desta sexta-feira (17/2) a Ponte do Saber. É a primeira estrutura do tipo na cidade e levou quase dois anos para ficar pronta.  Projetada pelo arquiteto Alexandre Chan – que alega não ter sido intencional a estrutura suscitar formas como um biguá ou perna feminina -, a ponte é sustentada por 21 estais (cabos) atrelados a um pilone de 96 metros. A Ponte do Saber liga o campus da UFRJ, na Cidade Universitária, à Linha Vermelha (sentido Centro).

A estimativa do prefeito da Cidade Universitária, Ivan Carmo, é de que dois mil veículos cruzem por hora os 200 metros de vão livre (maior que o vão central da Ponte Rio-Niterói) da Ponte do Saber no horário de rush. No total, ela tem 780 metros de extensão e é toda em concreto branco. Ganhou tratamento especial antipichação e faz parte de um projeto mais amplo, que incluiu a recuperação de 140 mil metros de manguezais que circundam o campus e dragagem dos canais, que passarão a ter profundidade superior a 4 metros. A medida vai melhorar a circulação das águas e reduzir o mau cheiro das águas do Canal do Cunha, que provocou constrangimento na visita do Comitê Olímpico Internacional (COI) na primeira candidatura do Rio para sediar os Jogos Olímpicos, em novembro de 1996.

Assista aqui ao vídeo da Web TV UFRJ sobre a inauguração

Leia também "Construção da ponte guarda histórias curiosas"

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, o essencial do projeto é retirar todo o lodo que dava mau aspecto, mau cheiro, sendo um anticartão-postal do Rio de Janeiro. “Ao dragar os canais, facilitam-se a navegação e a pesca e eliminam-se focos de doenças, tanto do lado da Cidade Universitária quanto no da Maré. No total de R$ 320 milhões, a ponte custou menos de R$ 70 milhões. Estamos também recuperando duas fontes de emprego importantes, dando condições de funcionamento dos estaleiros Inhaúma (antigo Iskawagima) e Rio Nave (antigo Caneco), e dispondo de saneamento básico a Vila Residencial da Cidade Universitária”, disse.

A solução estrutural para a nova ponte considerou a acessibilidade, os custos, a aparência, a parte operacional da construção propriamente dita e, principalmente, as características dos solos, já que a Cidade Universitária é formada pela junção, por meio de aterro, de pequenas ilhas. Os estudos iniciais para a ponte foram feitos pelo professor do Programa de Engenharia Civil da Coppe-UFRJ, Francisco Lopes, e pelo arquiteto Ivan Ferreira Carmo, hoje na Prefeitura Universitária. Os traçados preliminares foram feitos em 2008 por membros do Comitê do Plano Diretor da UFRJ, liderados pelo professor da Coppe, Carlos Antonio Levi, atual reitor da UFRJ.

Para  Levi, a construção da ponte não esgota o problema do trânsito na Cidade Universitária, mas vai ajudar bastante a atenuar o engarrafamento. Ele acredita que, no mínimo, metade do fluxo de veículos passará pela Ponte do Saber, aliviando as saídas próximas ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF). “Estamos trabalhando para garantir também a inclusão da UFRJ no projeto do BRT, com uma estação na Cidade Universitária, sendo uma opção no caminho para o aeroporto internacional. Estamos avançando muito na direção de concretizar os projetos previstos no Plano Diretor UFRJ 2020 de integrar a Universidade ao Rio”, informou Levi.

Com acesso pela Avenida Pedro Calmon e pela Rua Moniz de Aragão, onde serão instalados semáforos para ordenar o fluxo dos veículos, a Ponte do Saber foi negociada com o governador Sérgio Cabral, após compromisso assumido em 2007 com a Reitoria da UFRJ, para solucionar uma parte dos problemas de trânsito da Cidade Universitária e seu entorno.

O governador Sérgio Cabral destacou a união de esforços realizada pela UFRJ, governos estadual e municipal, Petrobras e a construtora Queiroz Galvão. “Fiquei muito emocionado ao entrar e ver a placa com o nome ‘Ponte do Saber’, que eu dei”, disse o governador. E acrescentou que “a equipe da Secretaria do Meio Ambiente tem trabalhado muito para dar um destino para o Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam), que era usado para tudo, menos para a questão ambiental. Nós duplicamos o tratamento de esgoto desde que assumimos o estado”, revelou Sérgio Cabral.

Para ele, a obra como um todo permite uma evolução na indústria naval do estado. “O nosso parque naval voltou a crescer e 70% dos empregos são gerados aqui no estado do Rio de Janeiro”, disse Sérgio Cabral, revelando que, quando olha ao redor, vê as comunidades do entorno que se beneficiarão com todo o investimento nessa ilha do saber. O sentimento é compartilhado pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, que também encheu de elogios o arquiteto da obra. “É difícil construir equipamentos públicos no Rio, pois não dá para competir com a beleza da paisagem da cidade. Quem chega ao Rio vai ver as montanhas do Maciço da Tijuca, o Cristo Redentor e, em determinado momento, o Pão de Açúcar. Um sujeito chegar e querer aparecer mais do que a paisagem não custa, mas o Chan (o arquiteto) se superou, acertou no ponto”, finalizou.  

UFRJ com único acesso no Carnaval
Com a inauguração da Ponte do Saber nesta sexta-feira (17/2), a Prefeitura Universitária (PU) elaborou um esquema especial de acesso ao campus da Cidade Universitária durante o Carnaval. A partir das 18h do dia 17, apenas o Portão 1, entrada e saída pela Avenida Brigadeiro Trompowski (próxima ao Instituto de Puericultura Martagão Gesteira – IPPMG e à Estação de Integração), estará aberto durante os dias de folia e na quarta-feira de cinzas. Inclusive o tráfego na ponte estaiada estará suspenso após esse horário.

O retorno à rotina só acontecerá na próxima quinta e sexta-feira, dias 23 e 24, quando o Portão 3 (acesso de quem chega pelas Linhas Vermelha e Amarela) e o Portão 2 (entrada perto da Prefeitura Universitária) estarão abertos a partir das 5h30. O Portão 4 (próximo ao Centro de Tecnologia) permanece fechado até a retomada do período letivo.

A Prefeitura Universitária esclarece que, inicialmente, a Ponte do Saber estará aberta para o tráfego apenas entre 5h30 e 23h, de segunda a sexta-feira. Alterações na rotina do trânsito no novo acesso para a Linha Vermelha no sentido Centro só ocorrerão após uma análise das demandas da comunidade universitária.

FUNCIONAMENTO DOS PORTÕES DA UFRJ
• Dia 17/2: Ponte do Saber, Portões 2 e 3 = fechamento às 18h
• Dia 23/2: Ponte do Saber, Portões 2 e 3 = abertura às 5h30 e fechamento às 23h
• Dia 24/2: Ponte do Saber, Portões 2 e 3 = abertura às 5h30 e fechamento às 23h
• A partir de 27/2 (dias úteis): Ponte do Saber = abertura às 5h30 e fechamento às 23h; Portão 2 = abertura às 5h30 e fechamento às 23h; Portão 3 = abertura às 5h30 e fechamento às 23h, com interrupção de passagem entre 16h e 19h.