Categorias
Memória

Bombeiros controlam novo foco de incêndio

Um novo foco de incêndio fez com que o Corpo de Bombeiros voltasse ao Palácio Universitário por volta das 17h30. O fogo já foi controlado, mas as equipes continuam no local. O Palácio permanecerá interditado até que a liberação por parte da Defesa Civil. Não há previsão para reabertura.

 Um novo foco de incêndio fez com que o Corpo de Bombeiros voltasse ao Palácio Universitário por volta das 17h30 desta quarta (30/03). O fogo já foi controlado, mas as equipes continuam no local. O Palácio permanecerá interditado até a liberação por parte da Defesa Civil. Não há previsão para reabertura.

Enquanto isso, funcionários do Fórum de Ciência e Cultura (FCC) da UFRJ estão de prontidão no local. Os servidores aguardam o laudo da Defesa Civil que poderia permitir a entrada no prédio para a recuperação de documentos e arquivos dos computadores da unidade.

A grande quantidade de madeira em brasas e escombros dificulta o trabalho de rescaldo dos bombeiros. Enquanto isso, os funcionários do Fórum seguem impedidos de entrar no prédio e sem local para trabalhar.

No mutirão realizado na última terça-feira (29/03), funcionários da Prefeitura Universitária recuperaram itens do almoxarifado, situado embaixo da escada que dava acesso à Capela São Pedro de Alcântara. Entre o que foi recuperado, havia materiais de limpeza, rolos de papel higiênico, maços de papel e cartuchos de tinta, de acordo com o administrador do FCC-UFRJ, Valternei Lima. Ele explicou que como a entrada no prédio é restrita, ainda não é possível dizer tudo o que foi perdido ou danificado, mas que acredita que muitos objetos e móveis tenham sido preservados, entre eles o piano de cauda do Salão Dourado e as mais de 200 cadeiras novas que iriam para o Salão Pedro Calmon.

Objetos históricos perdidos

O administrador ainda lamentou a perda de obras de arte e mobiliários que estavam guardados em uma sala de restauro, atrás do altar da Capela. “Enquanto faziam a restauração do forro da Capela, tivemos que proteger esses objetos de eventuais chuvas, que poderiam danificá-los”, explicou Lima. Segundo ele, a maior parte das obras eram réplicas em estilo rococó.

De acordo com Maria Dias, somente na Capela foram perdidos itens de grande valor histórico, que datam da época da construção do prédio, em 1852. Entre eles o confessionário, os três lustres de cristal que adornavam o centro do salão e o altar-mor com a imagem de São Pedro de Alcântara, esculpida em mármore de Carrara, por F. Petrrich.

O sino de bronze da Capela caiu do alto da torre e está sob os escombros. Por isso ainda não foi possível avaliar os danos. Também se perderam as mais de cem cadeiras de palha, cortinas, jardineiras e mesas de santos adquiridas em antiquários por Pedro Calmon, na época em que o Palácio foi adaptado para receber a Universidade do Brasil, em 1949.