Categorias
Memória

Perigo nas águas do Paraíba do Sul

Pesquisa realizada pela Coppe/UFRJ, durante quatro anos, revelou a presença de atividade biológica hormonal na água não-tratada do Rio Paraíba do Sul, no Rio de Janeiro, situação que pode oferecer riscos à saúde pública e à preservação ambiental.

 

Pesquisa realizada pela Coppe/UFRJ, durante quatro anos, revelou a presença de atividade biológica hormonal na água não-tratada do Rio Paraíba do Sul, no Rio de Janeiro, situação que pode oferecer riscos à saúde pública e à preservação ambiental. Márcia Dezotti, coordenadora do Laboratório de Controle de Poluição das Águas, alerta que é preciso modernizar o tratamento de água no Estado.

Os hormônios são diariamente excretados pelo nosso organismo e liberados no ambiente na forma biologicamente inativa, podendo ser convertidos à forma ativa pela atuação de bactérias fecais presentes no esgoto. Quando chegam às estações de tratamento, parte deles é eliminada, mas a outra pode permanecer por conta da dificuldade de remoção. “Essas substâncias seguem, em baixas concentrações, mas são problemáticas porque têm ação biológica”, afirma a professora do Programa de Engenharia Química da UFRJ.

Na lista de preocupações dos pesquisadores, está o estradiol, hormônio que é capaz de alterar o funcionamento do sistema reprodutor de homens e animais. “O índice detectado nas amostras realizadas é suficiente para gerar distúrbios no sistema endócrino de seres humanos e provocar, por exemplo, a feminização de peixes. Mesmo em baixa concentração, o estradiol aumenta o risco de doenças como câncer de próstata, mama e útero, e pode ocasionar infertilidade”, explica.

A situação mais crítica foi encontrada no Vale do Médio Paraíba, que abrange as cidades de Barra Mansa, Resende e Volta Redonda. Nessa região, a água apresentou hormônios na forma inativa, o que sugere a ocorrência de despejo de esgoto doméstico bruto ou de tratamento ineficientemente nas estações.

Em contrapartida, o Rio Guandu, que recebe 60% das águas do Rio Paraíba do Sul e abastece 80% da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, apresentou bons indicadores de água tratada. “O tratamento do Rio Guandu é muito bom, o que não quer dizer que ele não tenha que evoluir, porque a concentração de cloro que usa é alta”, pondera.

Dessa forma, Márcia Dezotti alerta que a modernização do tratamento do esgoto em todo o Estado é importante já que sua composição se modificou com o tempo. “O tratamento do esgoto de hoje não pode ser o mesmo da década de 1950. Atualmente, há produtos de limpeza, xampus, rímel, batom, tintas de roupas, e outros produtos que não existiam na época. Tudo isso tem um efeito que imita o hormonal e pode apresentar riscos”.