Categorias
Memória

Projeto Fundão: 25 anos de luta pela valorização do professor

Começaram nesta sexta, dia 12, as comemorações dos 25 anos do Projeto Fundão. Na programação, haverá debates e discussões com a participação de diversos acadêmicos da UFRJ e de outras universidades.

 Começaram nesta sexta, dia 12, as comemorações dos 25 anos do Projeto Fundão. Na programação, haverá debates e discussões com a participação de diversos acadêmicos da UFRJ e de outras universidades. Também está prevista uma visita ao Laboratório Oficina do Projeto Fundão Biologia, onde serão expostos o Terrário, o acervo histórico de documentos e livros didáticos e a coleção zoológica.

A solenidade de abertura aconteceu no auditório do Roxinho, que faz parte do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN/UFRJ). A mesa foi composta por Waldecir Bianchini, diretor do Instituto de Matemática (IM/UFRJ); Ângela Rocha dos Santos, decana do CCMN; Milton Flores, superintendente geral de Administração e Finanças; Maria Fernanda Nunes, diretora do Instituto de Biologia (IB/UFRJ); Ana Inês Sousa, superintendente acadêmica da Pró-reitoria de Extensão e Maria Laura Leite Lopes, coordenadora do Projeto e professora emérita da UFRJ.

A professora Maria Laura iniciou seu discurso com palavras de agradecimento a todos que trabalharam na organização do evento. Em seguida, ela resumiu brevemente a história do aniversariante.

O Projeto Fundão começou em 1983 por iniciativa de Maria Laura. Interessada na idéia passada por uma colega de trabalho, a professora se articulou para estruturar e ampliar o projeto para outras áreas do conhecimento, além da Matemática. Assim, passaram a fazer parte os campos da Física, Geografia, Biologia e Química. O objetivo, segundo a própria fundadora, permanece sendo lutar pela valorização do educador, formando professores na área científica.

Em seguida, Waldecir Bianchini anunciou a entrega de uma placa comemorativa a Maria Laura Leite Lopes, uma homenagem do próprio IM. Bianchini destacou o longo período de 65 anos que a docente dedicou à UFRJ.

O Projeto Fundão, informou Milton Flores, é o mais antigo da Universidade. Ele destacou a vocação do programa para a articulação de todas as instâncias do ensino público, a fim de melhorar a educação brasileira.

Flores finalizou dizendo que o projeto, iniciado do passado, transformou-se no presente e continuará transformando-se no futuro, lutando sempre em busca do mesmo objetivo.

As comemorações se estendem até amanhã, dia 13. Mais informações sobre a programação podem ser obtidas no endereço eletrônico do IM: www.im.ufrj.br.