Categorias
Memória

Portal Somos-UFRJ

O portal Somos-UFRJ já pode ser acessado através do site www.somos.ufrj.br. Lançada no final de junho, quando ainda em fase final de testes


O portal Somos-UFRJ já pode ser acessado através do site www.somos.ufrj.br. Lançada no final de junho, quando ainda em fase final de testes, a plataforma passou por um período de ajustes nos últimos meses e, atualmente, permite o acesso aos dados referentes à produção do corpo docente da Universidade. O próximo passo é a inserção dos dados relativos à infraestrutura dos laboratórios da UFRJ. No momento, essas informações estão sendo mapeadas por empresas juniores e inseridas gradativamente na plataforma.

 

Viabilizado a partir de uma parceria envolvendo a Agência UFRJ de Inovação, a UFMG e a empresa Siemens, o sistema Somos trata-se, na prática, de um portal que faz uso de dados contidos na plataforma Lattes para permitir a identificação, de maneira detalhada, simples e organizada, dos pesquisadores da Universidade e de sua produção científica. Além disso, o sistema também viabiliza o acesso a informações sobre unidades acadêmicas, departamentos, ativos de propriedade intelectual e infraestrutura laboratorial, apenas para citar algumas de suas funcionalidades. Seu objetivo é facilitar o mapeamento das competências da instituição e incrementar a interação entre a UFRJ e outras instituições públicas e privadas, especialmente nas áreas de pesquisa científica e tecnológica.

 

Idealizada pela Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica da UFMG, sob a direção do professor Ado Jorio de Vasconcelos, a plataforma Somos é hoje utilizada em instituições de ensino como a Unicamp, UFSCar, UFJF, Unesp, entre outras, além da própria UFMG. A título de exemplo, apenas a plataforma Somos-UFMG já recebe cerca de 30 mil visitas por mês, originadas, em sua totalidade, em 159 países. Deste modo, estima-se que a implementação da plataforma pela UFRJ represente um grande passo na universalização e gestão do conhecimento produzido pela instituição, favorecendo, num futuro próximo, não apenas as pesquisas científicas, mas também as interações entre o conhecimento acadêmico e o setor produtivo, especialmente no que tange à transferência e aplicação de inovações tecnológicas.

 

Fonte: Agência UFRJ de Inovação / Julio Longo