Categorias
Memória

CCMN inaugura salas de aula e novos espaços acadêmicos

No dia 14/8, o Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) da UFRJ inaugurou um novo bloco de salas de aula. 

Por Laura Barbosa e Jean Souza

No dia 14/8, o Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN) da UFRJ inaugurou um novo bloco de salas de aula. A breve cerimônia de inauguração contou com as presenças do reitor, Carlos Levi, do decano do CCMN, João Graciano Mendonça Filho, de professores, servidores técnico-administrativos e alunos do centro.

 O Bloco F3 é um andar composto por 16 salas de aula com capacidade mínima de cem alunos e um espaço de Núcleo de Educação a Distância (Nead). Nele, professores com projetos de educação à distância solicitam o uso de gabinetes, salas de reunião e salas equipadas para conferências.

As salas já atendem às aulas do segundo semestre letivo e são utilizadas por mais de 2 mil alunos. Todas são equipadas com computador, projetor, sistema de som e ar condicionado.

Com capacidade para abrigar um grande número de alunos, as salas reduzem a necessidade de quebra de turmas. “O brasileiro tem o preconceito de que com turma grande não se consegue ter uma boa qualidade de aula. Nas grandes universidades fora do país as turmas são gigantescas e isso não acontece”, afirmou o decano, João Graciano. E completou: “A qualidade é a mesma porque o conteúdo é o mesmo”.

A construção do bloco teve início há três anos, na gestão do reitor Aloísio Teixeira e da decana Ângela Rocha, e teve continuidade na atual gestão, de Carlos Levi. A obra foi inaugurada com recursos do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) na UFRJ e visa atender às demandas do aumento de vagas ofertadas através do programa.

 “É sempre muito gratificante participar da inauguração de qualquer obra da UFRJ, porque isso representa um grande esforço da universidade para superar dificuldades impostas por legislações que geralmente impedem a implementação ágil de projetos”, disse Carlos Levi (foto).

“Estamos caminhando para uma universidade mais adequada, na parte física, ao alto nível intelectual que nós temos”, concluiu Graciano.