Categorias
Memória

Consuni critica ações policiais na Maré

O Conselho Universitário da UFRJ divulgou nessa quinta (27/6), moção criticando as ações policiais na Maré, que na última segunda-feira (24), culminaram com a morte de dez pessoas.

O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) divulgou nessa quinta (27/6), moção criticando as ações policiais na Maré, que na última segunda-feira (24), culminaram com a morte de dez pessoas.
 
A comunidade, vizinha ao principal campus da UFRJ, na Zona Norte do Rio, é sede de diversas atividades de extensão da universidade.
 
A nota afirma que a UFRJ acompanha com indignação “a ocorrência de ações militarizadas” em algumas regiões da cidade, evidenciando “o tratamento diferenciado que o Estado ainda confere às populações pobres”. Os conselheiros cobraram a investigação e punição de atos violentos em manifestações políticas.
 
Em reunião pela manhã, na Cidade Universitária, eles condenaram a violência contra movimentos sociais e partidos políticos por grupos orquestrados e reforçaram a importância das manifestações para o fortalecimento da democracia no país.
 
Confira a íntegra da moção:
 
O Conselho Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro – Consuni, reunido em sessão ordinária de 27/6/2013, torna pública sua defesa intransigente da liberdade de expressão e empresta solidário apoio às manifestações que vêm mobilizando a população brasileira, em defesa de direitos sociais basilares e de uma política que respeite, na prática, a dignidade dos cidadãos.
 
O Consuni manifesta total repúdio a atitudes de violência extremada, registradas em episódios em todo o país por grupos orquestrados, determinados a banir das ruas representantes de movimentos sociais e de partidos políticos, bem como os abusos cometidos pelas ações do Estado, através das suas forças policiais.
 
Este Conselho espera que as violências cometidas sejam exemplarmente investigadas e punidas, e que as manifestações continuem sendo garantidas nas ruas, alertando para que não se reproduzam a repressão, violência e prisões arbitrárias, já vividas num passado ainda recente do Brasil.
 
A Reitoria acompanhou, no dia 20/6, a situação das cerca de 300 pessoas abrigadas no prédio da Faculdade Nacional de Direito e aproximadamente 400 outras no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, em sua grande maioria estudantes, que participaram das manifestações políticas na cidade e precisaram buscar refúgio temendo atos violentos. A UFRJ segue confiante na preservação da integridade e autonomia dos espaços universitários.
 
Nossa atenção se volta, nesta semana, especialmente para a ação policial na comunidade da Maré, que culminou com a morte de uma dezena de pessoas, após mais um protesto pela reivindicação de direitos. A UFRJ, uma das instituições universitárias com presença na comunidade, através de várias iniciativas e projetos, sente-se conhecedora de sua realidade, e acompanha com preocupação indignada a ocorrência de ações militarizadas truculentas nas regiões mais carentes de recursos da cidade, que evidenciam o tratamento diferenciado que o Estado ainda confere às populações pobres.
 
O Brasil vive um momento de importantes mudanças. A população, nas ruas, sinaliza a insatisfação recorrente com os dirigentes políticos e com a organização de Estado que pouco abre espaço para a participação popular. As respostas às vozes que foram às ruas começam a aparecer e abrem espaço para novos arranjos e uma infinidade de reflexões.
 
A UFRJ continuará apoiando e acompanhando a participação dos cidadãos brasileiros, de seus estudantes e servidores nas manifestações, comprometida sempre com a garantia da sua segurança e da sua integridade física e moral, a qualquer custo. A UFRJ continua aberta e celebra sua resistência como plenária permanente, praça pública para todos aqueles que lutam pela dignidade plena e pelos direitos humanos.
 
Carlos Levi
Reitor
 
Novo debate marcado para amanhã
 
Ao longo da semana, a UFRJ sediou diversas discussões sobre as manifestações e o momento político do país. Nessa sexta (28) um novo debate reunirá professores universitários para debater a conjuntura política brasileira, no campus da Praia Vermelha.
 
Serviço:
 
O que está acontecendo? Um debate sobre os movimentos e a conjuntura atual
O que está acontecendo? Esta é a questão que tomou todas as mentes pelo Brasil. Vemos importantes manifestações populares e a universidade é parte disso. Como em 1968, o espaço da universidade precisa ser tomado pela reflexão popular sobre a sociedade em que vivemos e que precisamos construir. Movidos por esta conjuntura os professores das federais do Rio de Janeiro resolveram organizar um debate para discutir junto com técnicos, estudantes e toda a população os movimentos atuais e enfrentar as questões florescentes.
 
Palestrantes: Roberto Leher (UFRJ), Carlos Vainer (UFRJ), Marco Antônio Peruso (UFRRJ), Pedro Rocha (Uni-Rio) e Eblin Farage (UFF)
Horário: 11h
Local: Teatro de Arena da UFRJ – Av. Pasteur 250, Palácio Universitário, Campus da Praia Vermelha (Urca)

 Leia também: Nota na íntegra de decanos e diretores contra a violência policial