Categorias
Memória

CFCH sedia debate sobre a Ebserh

Dando prosseguimento à série de debates acerca da adesão da UFRJ à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), será realizado, na próxima quarta (10/4), um encontro no Auditório Professor Manoel Maurício de Albuquerque, no Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH). O evento acontece das 10h às 14h e é aberto ao público.

Dando prosseguimento à série de debates acerca da adesão da UFRJ à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), será realizado, na próxima quarta (10/4), um encontro no Auditório Professor Manoel Maurício de Albuquerque, no Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH). O evento acontece das 10h às 14h e é aberto ao público.

O primeiro encontro ocorreu no dia 22 de março, na maternidade-escola da UFRJ, em Laranjeiras. O objetivo da Reitoria, com isso, é criar uma agenda pública de debates, que visa discutir, junto à comunidade universitária, a proposta de contratação da Ebserh pelas universidades brasileiras.

Posição do CFCH

Algumas unidades da UFRJ já discutem e se manifestaram a respeito da medida. Reunido no dia 20 de agosto de 2012, o Conselho de Centro do CFCH posicionou-se contrário à contratação da empresa, “por considerar que esta representa uma grave afronta à autonomia universitária, garantida no artigo 207 da Constituição Federal”. O documento, assinado pelo decano Marcelo Macedo Corrêa e Castro, “clama que a Administração Central da UFRJ não efetue nenhuma negociação com a referida empresa, antes de submeter o tema a amplo debate com toda a universidade, garantindo a manifestação do seu fórum máximo de deliberação, o Consuni,  e, sobretudo, o Complexo Hospitalar”.

Em entrevista à Seção Sindical dos Docentes da UFRJ (Adufrj) sobre o processo de implantação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, o decano do CFCH afirmou que a Ebserh "não cabe dentro do modelo constitucional de autonomia que a universidade dispõe". A adesão à empresa, ainda segundo Corrêa e Castro, "é uma ruptura muito grande com este modelo". Ainda que essa não seja a intenção do Ministério da Educação, "nós entendemos que esta solução é incompatível com a autonomia universitária".

Assista à entrevista aqui.