Categorias
Memória

Consuni aprova novo Núcleo

O Conselho Universitário aprovou a criação do  Núcleo Interdisciplinar de Desenvolvimento Social (Nides), órgão suplementar que irá compor o Centro de Tecnologia da UFRJ:

Marília Gonçalves


Foi aprovada na reunião do Conselho Universitário do dia 28 de fevereiro a criação do terceiro órgão suplementar que irá compor o Centro de Tecnologia da UFRJ. O Núcleo Interdisciplinar de Desenvolvimento Social (Nides) é uma iniciativa de grupos de extensão da UFRJ que funcionam ou tiveram origem no CT. A proposta é que o novo órgão possa nuclear iniciativas que se disponham a atuar pelo desenvolvimento da sociedade, atendendo as principais demandas colocadas por atores como governo, movimentos sociais ou organizações comunitárias.

Desde 2006, seis grupos tentam aprovar a ideia de criação do Núcleo na universidade. São eles: UFRJ Mar; Núcleo de Solidariedade Técnica (Soltec); Polo Náutico; Laboratório de Informática para Educação (LIpE); e Laboratório de Fontes Alternativas de Energia (Lafae). A proposta foi aprovada, em 2009, pelo Conselho de Centro do CT e, depois disso, levada três vezes ao Consuni, até ser aprovada na última reunião.

“Foi uma grande vitória política, de certa concepção de universidade. A proposta que venceu é de que devemos estar junto à sociedade enfrentando os problemas sociais e ambientais de acordo com os preceitos de uma universidade pública, que deve ser de qualidade e gratuita. E também buscando desenvolver conhecimento para enfrentar os problemas mais centrais da população”, explica o professor Sidney Lianza, fundador do Soltec e um dos idealizadores do Nides.

De acordo com o vice-coordenador do Soltec, Celso Alexandre Alvear, o grupo que compõe o órgão está no momento trabalhando coletivamente no aperfeiçoamento de uma proposta de regimento que deve ser levada ao Conselho Universitário em breve. O Nides terá ação prioritariamente extensionista, ou seja, as atividades de extensão devem mover as ações de pesquisa e ensino do Núcleo.

O que é um órgão complementar?

Segundo o Estatuto da Universidade Federal do Rio de Janeiro, os órgãos suplementares são integrantes da infraestrutura da Universidade e podem ser Núcleos, Organizações de Prestação de Serviços ou Institutos Especializados. O Centro de Tecnologia da UFRJ é formado por duas unidades e dois órgãos suplementares: Escola Politécnica; Escola de Química;  Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe); e  Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano (IMA), respectivamente.

No caso dos Núcleos, existe a possibilidade de angariar “recursos próprios” ou de Unidades Universitárias. Para as ações de extensão, a institucionalização pode viabilizar a realização de projetos mais estáveis, de maior abrangência e importância, já que possibilita aos grupos planejarem ações de mais de um ano e permanecerem atuando num mesmo território por mais tempo. “O Nides vai possibilitar que nossos grupos, que trabalham hoje com extensão e por meio de editais, pelos quais temos que prestar contas à União às vezes por dez anos, trabalhem na mesma lógica da universidade, com servidores técnico-administrativos, professores, entre outros”, explica Sidney.