Categorias
Memória

Laboratório da UFRJ desenvolve modelo pioneiro

O Laboratório de Meteorologia Aplicada (LMA) do Instituto de Geociências (Igeo−UFRJ), coordenado pelo professor Gutemberg Borges França e pelos pesquisadores Manoel Valdonel e Francisco Albuquerque, desde 2007, desenvolveu um sistema de nowcasting, modelo de previsão de tempo que, diversamente das previsões apresentadas em telejornais e mais conhecidas do público leigo, elabora prognósticos de curtíssimo prazo (de dezenas de minutos a três horas) para áreas específicas, como aeroportos, redes de distribuição e linhas de transmissão de energia.

O Laboratório de Meteorologia Aplicada (LMA) do Instituto de Geociências (Igeo−UFRJ), coordenado pelo professor Gutemberg Borges França e pelos pesquisadores Manoel Valdonel e Francisco Albuquerque, desde 2007, desenvolveu um sistema de nowcasting, modelo de previsão de tempo que, diversamente das previsões apresentadas em telejornais e mais conhecidas do público leigo, elabora prognósticos de curtíssimo prazo (de dezenas de minutos a três horas) para áreas específicas, como aeroportos, redes de distribuição e linhas de transmissão de energia. O know-how do laboratório, pioneiro no mundo e único no Brasil, é aplicado no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, para previsão de nevoeiros e outros incidentes climáticos que prejudiquem o tráfego aéreo e o planejamento aeroportuário.

O projeto, iniciado em 2007, está plenamente operacional, desde 2009, no mais importante aeroporto do país, e trabalha com a aplicação técnica de redes neurais artificiais na previsão de curtíssimo prazo, de visibilidade e de teto, essenciais para a montagem do schedule de pousos e decolagens.

Inicialmente fundamentado na tese de Valdonel, o projeto se baseou em uma compilação de 56 anos de informações meteorológicas de superfície da região do aeroporto (Estação Meteorológica de Superfície de Cumbica e Estação Meteorológica de Superfície de Guarulhos).

O nowcasting fornece respostas mais rápidas do que as previsões do modelo sinótico, consagrado pelo telejornalismo. Como o computador é “ensinado” a fazer correlações com as estatísticas históricas, o esforço do sistema computacional é menor e as previsões podem ser feitas em segundos, até mesmo em um computador de uso pessoal. Tudo isso leva à redução de custos e tomadas de decisão mais ágeis e eficientes.

O modelo desenvolvido pelo LMA chega a 90% de índice de acerto e pode ser aplicado em outros aeroportos, em sistemas de distribuição de energia e também pela Defesa Civil, para previsão de catástrofes, prevenção de acidentes e minimização de prejuízos com eventos climáticos.