Categorias
Memória

Ao mestre com carinho

A comunidade acadêmica da UFRJ se reuniu na tarde do último dia 13 para prestar homenagem ao professor Nelson Albuquerque de Souza e Silva, diretor do Instituto do Coração Edson Saad da universidade (Ices), cuja aposentadoria será publicada no próximo dia 19.

Homenagem a Nelson Souza e Silva. Foto de Marco Fernandes.A comunidade acadêmica da UFRJ se reuniu na tarde do último dia 13 para prestar homenagem ao professor Nelson Albuquerque de Souza e Silva, diretor do Instituto do Coração Edson Saad (Ices), cuja aposentadoria será publicada no próximo dia 19. O auditório Halley Pacheco, no HUCFF, foi pequeno para comportar médicos, professores, alunos e amigos que prestigiaram o evento. Visivelmente emocionado, o professor, que nada sabia até aquele momento, rendeu-se aos carinhos de amigos de tantos anos de jornada.

Presente à mesa do evento, um ex-aluno do professor Nelson, o vice-reitor Antônio Ledo. “Essa é uma das homenagens, tenho certeza que outras virão. O professor não vai deixar a universidade”, disse o vice-reitor.

Para o professor Alexandre Cardoso, essa foi uma homenagem afetiva e também de reconhecimento acadêmico. “Como ele, poucos conseguem fazer muita coisa e muito bem, além de ser um excelente jogador de futebol. Nelson é singular por isso”, contou Cardoso, apontando para um possível título de professor emérito para o docente.

Roberto Medronho, diretor da Faculdade de Medicina, confirmou que a Congregação da Faculdade de Medicina fará o possível para conseguir a emerência. “Falar dele é um grande desafio, principalmente sendo ex-aluno. Não pouparemos esforços para mantê-lo na universidade. Você é um dos principais personagens da história recente da Faculdade de Medicina”, aposta Medronho.

Eleonora Ziller, diretora da Faculdade de Letras, também convidada para a homenagem, citou Fernando Pessoa e João das Neves e se incluiu na lista de alunos do professor. “Sua trajetória está presente nos grandes projetos da Faculdade de Medicina. A universidade precisa e muito de outros como ele. Espero poder aprovar a emerência no Conselho Universitário”, declarou Eleonora.