Categorias
Memória

Palestra sobre mediação comunitária

A ouvidora-geral da UFRJ, Cristina Ayoub Riche, e a diretora executiva da Parceiros Brasil – Centro de Processos Colaborativos, Gabriela Asmar, promovem o encontro da norte-americana Gail Sadalla, pioneira na adaptação da mediação comunitária ao contexto escolar na Califórnia, com o grupo do Centro de Referência de Mulheres da Maré Carminha Rosa, vinculado ao Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da UFRJ.

A ouvidora-geral da UFRJ, Cristina Ayoub Riche, e a diretora executiva da Parceiros Brasil – Centro de Processos Colaborativos, Gabriela Asmar, promovem o encontro da norte-americana Gail Sadalla, pioneira na adaptação da mediação comunitária ao contexto escolar na Califórnia, com o grupo do Centro de Referência de Mulheres da Maré Carminha Rosa, vinculado ao Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da UFRJ. O evento será realizado no próximo dia 7 de dezembro. Os temas abordados serão a resolução de conflitos e o empoderamento decisório.

Gail atua na mediação escolar e é especialista em desenvolvimento de currículo de resolução de conflitos e de processo de formação altamente interativo e dinâmico, implementando práticas de escuta e de diálogo, com bastante sucesso nos Estados Unidos e em outros países.

A mediadora também esteve na OAB-RJ, a convite da Comissão de Mediação, e – a exemplo do que faz com estudantes em instituições e colégios que visita – começou sua apresentação interagindo com os convidados sobre os conflitos pessoais, o que deu base para o restante de sua exposição. Ela explicou que, em seu trabalho, os alunos elegem um representante para atuar como mediador na resolução dos problemas. A equipe de mediação liderada por Gail só intervém em casos extremamente necessários.

A mediadora Gabriela Asmar participa de projeto semelhante no Rio de Janeiro, atualmente em dez escolas municipais, o Educação para a Paz. Cristina Riche lembra que a Ouvidoria é instrumento da democracia direta que atua, também, na mediação de conflitos e busca humanizar as relações entre as partes, com o intuito de construir uma via pacífica com a prevalência do diálogo e do respeito mútuo.