Categorias
Memória

Cooperação entre Brasil e China na área ambiental

No último dia 27 de julho, a 13h30, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe/UFRJ) reuniu especialistas e representantes dos governos da China e do Brasil para iniciar a discussão sobre a parceria entre os países na área de mudanças climáticas.

No último dia 27 de julho, a 13h30, o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe/UFRJ) reuniu especialistas e representantes dos governos da China e do Brasil para iniciar a discussão sobre a parceria entre os países na área de mudanças climáticas. O seminário foi promovido pelo Centro China-Brasil de Mudança Climática e Tecnologias Inovadoras para Energia, uma cooperação tecnológica e acadêmica entre a Coppe e a Universidade de Tsinghua, principal universidade chinesa em engenharia.

A abertura do evento contou com a presença do professor Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe/UFRJ, de Sun Chengyong, do Ministério da Ciência e Tecnologia da China, do professor Jiankun He, da Universidade de Tsinghua, do professor Alexandre Salem Szklo, Coordenador do Programa de Planejamento Energético da Coppe, e de Karen Cristina Suassuna, do Ministério do Meio Ambiente brasileiro.

A proposta da parceria sino-brasileira está concentrada nas áreas de mudança climática e tecnologias voltadas para a geração de energia, conciliando a produção de energia com a preservação ambiental do planeta. Os três primeiros projetos propostos relacionam-se aos biocombustíveis, a captura e armazenamento de carbono (CCS, na sigla em inglês) e a tecnologias em águas profundas. Essas são áreas de interesse estratégico para ambos os países, visando manter o desenvolvimento econômico sem acelerar o aquecimento global.

Os biocombustíveis, como o etanol e o biodiesel, possuem potencial para reduzir a dependência energética dos combustíveis fósseis. A principal linha de atuação do projeto é a pesquisa experimental em busca da obtenção de formas inovadoras de produção de biocombustíveis. Já sobre a captura e armazenamento de carbono, o projeto visa fazer um levantamento das tecnologias de CCS proveniente de usinas termelétricas a carvão, muito presentes na China.

O projeto de tecnologias em águas profundas deverá ser desenvolvido através de uma parceria entre a Coppe e China University of Petroleum (CUP), tendo como meta o intercâmbio de informações e a inclusão das empresas brasileiras e chinesas do setor de petróleo no mar em iniciativas conjuntas no campo do desenvolvimento tecnológico. Os principais projetos de pesquisa deverão focar-se em sistemas submarinos, comportamento dinâmico de estruturas flutuantes e, segurança e proteção ambiental em operações offshore.

Essas são algumas das principais proposições discutidas nesse encontro entre China e Brasil. Criado em 2009, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Centro China-Brasil de Mudança Climática e Tecnologias Inovadoras para Energia tem como objetivo, além da pesquisa e desenvolvimento, formar recursos humanos por meio de intercâmbio de alunos, professores e pesquisadores. Além da parceria, múltiplos impulsos têm sido promovidos em prol da aproximação nas relações Brasil-China.