Categorias
Memória

Surto de sarampo alerta Anvisa e promove campanha de prevenção a viajantes

A epidemia recente de sarampo na Europa deixa em alerta viajantes de todo o mundo. No Brasil, a doença, tão conhecida e facilmente prevenida, preocupa a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro promovem campanha de prevenção.

A epidemia recente de sarampo na Europa deixa em alerta viajantes de todo o mundo. No Brasil, a doença, tão conhecida e facilmente prevenida, preocupa a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro promovem campanha de prevenção com quem costuma lidar com turistas todos os dias.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já registra a ocorrência da doença em 33 países da Europa, sendo cinco mil casos na França. No Brasil, a doença já estava praticamente erradicada, porém, com a proximidade da época de férias, as chances de os viajantes contraírem e trazerem para o país a doença aumentam.

Para os brasileiros que seguirão para os países europeus nos próximos meses a recomendação é se informar para prevenir. “O correto é que toda pessoa tome quatro doses da vacina (dupla ou tríplice-viral) na infância e que, quando adulta, receba mais uma dose de reforço, para garantir a eficácia do sistema imunológico”, explica Marilda Monteiro, técnica em enfermagem da Divisão de Saúde do Trabalho (DVST/UFRJ).

No Rio, lugar que recebe alto número de turistas, a Secretaria Municipal de Saúde já realiza campanha de vacinação para taxistas da cidade. O objetivo é que, posteriormente, a campanha se estenda também aos funcionários de hotelaria – pessoas que constantemente entram em contato com turistas europeus e com possíveis transmissores do vírus.

Além dessas campanhas excepcionais, neste sábado (18/6), começa a campanha contra a poliomielite e pela imunização contra o sarampo em crianças com até sete anos de idade. Marilda Monteiro destaca a importância da vacinação: “Dependendo do estágio em que a doença for diagnosticada, o sarampo pode evoluir para meningite ou encefalite, visto que o vírus circulando na corrente sanguínea, pode atingir o sistema nervoso e o cérebro”.

Uma vez adquirida a doença, o tratamento se faz com repouso e remédios sintomáticos, ou seja, remédios voltados para acabar com os sintomas que o sarampo provoca, como febre e tosse. E, em alguns casos, é necessário tomar antibióticos, pois o organismo fica vulnerável a bactérias oportunistas. Se você ainda não se preveniu contra a doença, a DVST da UFRJ realiza vacinação de adultos das 8h às 13h, de segunda a sexta, no prédio do Centro de Ciências da Saúde, na Cidade Universitária.