Categorias
Memória

Prédio do CCS não sofrerá danos com implosão, dizem especialistas

Na quarta-feira (27/10), em visita às instalações do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ (CCS), o Tenente Coronel do Corpo de Bombeiros Carlos Aguiar junto à equipe responsável pela implosão da ala sul do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ) esclareceu dúvidas sobre possíveis danos causados ao prédio do CCS durante a implosão.

Na quarta-feira (27/10), em visita às instalações do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ (CCS), o Tenente Coronel do Corpo de Bombeiros Carlos Aguiar junto à equipe responsável pela implosão da ala sul do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ) esclareceu dúvidas sobre possíveis danos causados ao prédio do CCS durante a implosão.

Foram inspecionados laboratórios e biotérios no bloco A do prédio e, de acordo com os profissionais, o risco de danos é praticamente nulo. “Haverá quase nenhuma corrente de poeira em direção ao CCS e o risco de abalo do solo também é praticamente zero. A tendência é a de os ventos seguirem rumo ao mar. Porém, são necessárias medidas preventivas”, esclarece o Coronel.

Para a contenção da poeira serão instaladas telas em todo o entorno do HUCFF e do CCS, além disso, as janelas do bloco A do CCS serão vedadas. “Nem mesmo os aparelhos de ar condicionado no CCS precisarão ser desligados”, revela Giordano Bruno, diretor da empresa responsável pela implosão. De qualquer maneira, o Coronel Carlos Aguiar informou que equipes da Light estarão a postos, caso haja algum problema no fornecimento de luz no momento e após a implosão.

A instalação das telas de proteção nos prédios do HUCFF e no CCS deve começar a partir do dia primeiro de dezembro e durar cerca de duas semanas para conclusão.