Categorias
Memória

Fórum de Ciência e Cultura recebe montagem de texto de Nelson Rodrigues

Os estudantes da Escola de Belas Artes da UFRJ apresentam a montagem do texto A serpente, de Nelson Rodrigues. O espetáculo fica em cartaz entre os dias 12 e 14 de maio, no Salão Dourado do Fórum de Ciência e Cultura. A entrada é franca.

 

Os estudantes da Escola de Belas Artes (EBA) da UFRJ apresentam, no projeto Fórum em Cena, a montagem do texto A serpente, de Nelson Rodrigues. O espetáculo, que tem direção de Antonio Guedes, fica em cartaz entre os dias 12 e 14 de maio, sempre às 20h, no Salão Dourado do Fórum de Ciência e Cultura (FCC) da UFRJ. A entrada é franca.

O texto do dramaturgo, que revolucionou o teatro brasileiro entre as décadas de 1940 e 1970, estreou nos palcos em 1978, sob a direção de Marcos Flaksman. A serpente conta a história de duas irmãs que vivem um triângulo amoroso com o marido de uma delas. Os ingredientes presentes na tragédia são característicos da obra de Nelson Rodrigues: ciúme, sexo e traição.

Em 2008, a peça inaugurou o estúdio do Centro de Produção Teatral (CPT), do Núcleo de Estudo e Pesquisa em Artes Cênicas (Nepac), na Cidade Universitária da UFRJ, e participou do Projeto Novas Caras, da Secretaria Estadual de Cultura, em apresentações nos municípios de Itaguaí e Duque de Caxias. À frente do CPT, o diretor Antonio Guedes recebeu uma indicação para o Prêmio Shell, em 1998, quando encenou o texto pela primeira vez. Na ocasião, o espetáculo teve temporadas bem sucedidas no Rio de Janeiro e depois viajou por todo o país.

A encenação tem classificação etária a partir de 14 anos e duração de 50 minutos. O FCC da UFRJ localiza-se na Avenida Pasteur, 250, Urca. A entrada é franca.

Nelson Rodrigues

Jornalista, dramaturgo e escritor, Nelson Rodrigues trabalhou em jornais como O Globo, O Jornal, Última Hora e Correio da Manhã. Ao longo de mais de três décadas, escreveu 17 peças teatrais, como Vestido de noiva, A falecida, O beijo no asfalto, Bonitinha, mas ordinária, entre outros textos adaptados para a televisão e o cinema. O escritor morreu em 1980, aos 68 anos, devido a complicações cardíacas e respiratórias.