Categorias
Memória

Um século pela igualdade

O dia 8 de março de 2010 marca os 100 anos  da 2ª Conferência de Mulheres Socialistas, ocorrida na Dinamarca. Na ocasião, a socialista alemã Clara Zetkin sugeriu fixar uma data como o Dia da Mulher, que pudesse lembrar ao mundo a luta por direitos e as denúncias contra a exploração feminina.

“De onde vem essa submissão na mulher?”. A questão, formulada por Simone de Beauvoir, escritora e filósofa francesa, no livro “O Segundo Sexo” (1949), instigou mulheres de todo o mundo a refletirem sobre a condição de opressão em que viviam. O livro entrou para a história como um dos mais importantes documentos pela libertação feminina e, ainda hoje, suscita discussões pela atualidade de suas reivindicações igualitárias.

Ao longo dos séculos, as mulheres sofreram uma série de preconceitos perpetrados por uma sociedade claramente patriarcal e desigual. Elas não podiam votar ou expressar sua individualidade. Cumpriam cargas exaustivas de trabalho, mas ganhavam menos que os homens. Eram violentadas, ignoradas e caladas pela dominação masculina.

Mas, em 1910, durante a 2ª Conferência de Mulheres Socialistas, ocorrida na Dinamarca, elas conquistaram o direito de ter um dia exclusivo delas. No evento, a socialista alemã Clara Zetkin sugeriu fixar uma data como o Dia da Mulher, que pudesse lembrar ao mundo a luta por direitos e as denúncias contra a exploração feminina.

A versão mais propagada é a de que o dia escolhido foi uma homenagem ao 8 de março de 1857, data em que ocorreu uma greve de operárias têxteis em Nova Iorque. Na ocasião, as funcionárias ocuparam a fábrica para reivindicarem a redução da carga horária de trabalho de 16 para 10 horas diárias. As mulheres, que recebiam cerca de um terço do salário dos homens, foram trancadas no galpão, onde se iniciou um incêndio. Acredita-se que mais de 130 funcionárias tenham morrido no incidente.

Outra versão muito difundida é a que atribui o 8 de março de 1917 como provável motivo para a homenagem. Naquele dia, operárias russas deram início a uma greve que acabou culminando na Revolução Russa. Segundo essa vertente, depois da reunião de 1910, em Copenhague, o Dia da Mulher passou a ser comemorado em diversas partes do mundo, mas em momentos diferentes. Só a partir de 1917 é que o 8 de março de fixou.

Seja como for, o 8 de março é uma data que lembra conquistas, vitórias e desafios a serem superados pelas representantes do sexo feminino. “Ele nos dá a oportunidade de refletir sobre as conquistas alcançadas e sobre os desafios ainda existentes. Diferentes instituições públicas e privadas, conselhos e grupos de mulheres realizam, no dia 8, tanto eventos que mobilizam a população, divulgam os serviços e publicizam o debate em torno dos temas da desigualdade de gênero quanto eventos de avaliação e balanço no campo das políticas públicas”, afirma Ludmila Fontenele, coordenadora do Núcleo de Saúde Reprodutiva e Trabalho Feminino da Escola de Serviço Social (ESS) da UFRJ.

Ludmila lembra que uma nova estruturação social e de direitos passa pelo olhar sobre a mulher e pelo respeito à especificidade de homens e mulheres. “É preciso que se conjuguem esforços nos campos dos direitos individuais e dos direitos coletivos buscando promover políticas públicas universais e voltadas para grupos específicos e articulações institucionais, em que a sociedade pode controlar sua vigência e sua qualidade”, afirma.