Categorias
Memória

Explorando os caminhos de Darwin pelo Rio de Janeiro

Caminhos de Darwin, expedição organizada pela Casa de Ciência da UFRJ em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e outras instituições científicas, percorre, de 26 a 29 deste mês, o trajeto realizado pelo pesquisador inglês no estado do Rio de Janeiro de 1832.

Caminhos de Darwin, expedição organizada pela Casa de Ciência da UFRJ em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e outras instituições científicas, percorre, de 26 a 29 deste mês, o trajeto realizado pelo pesquisador inglês no estado do Rio de Janeiro de 1832. No ano em que são celebrados 150 anos da Teoria da Evolução das Espécies, de Charles Darwin e Alfred Wallace, o Brasil insere-se nas comemorações internacionais em um roteiro turístico, educacional e científico que resgata ainda a história e memória local das 12 cidades visitadas.

Segundo Maria de Fátima Brito, diretora da Casa da Ciência, o projeto começou com uma idéia pequena que, no entanto, ganhou impulso e cresceu com o apoio das Secretarias Municipais de Educação envolvidas. “Apesar de termos passado por um momento difícil de articulação devido às eleições municipais, encontramos um envolvimento grande por parte da Secretarias de Educação e dos próprios professores”, afirmou. Além das atividades organizadas pela expedição, estudantes residentes nas cidades apresentarão trabalhos sobre a história e os estudos de Darwin. “Há toda uma questão do município se sentir pertencente à história. É, portanto, um resgate histórico e da auto-estima dos moradores”, completou Maria de Fátima. 

A expedição partirá do Jardim Botânico, na cidade do Rio de Janeiro, e seguirá para Niterói, Maricá, Saquarema, Araruama, São Pedro da Aldeia, Cabo Frio, Casimiro de Abreu, Macaé, Conceição de Macabu, Rio Bonito e Itaboraí. Em cada município será fixado um marco histórico: uma placa comemorativa com o mapa do estado no qual está indicada a localização da cidade, além de uma citação sobre o local de partida do diário de Darwin — fundamental para a elaboração do roteiro. Maria de Fátima esclarece que o objetivo é tentar fazer com que os marcos históricos estejam nos lugares por onde Darwin realmente passou, em 1832. “Muito do que foi apontado por Charles Darwin se perdeu com o tempo, porém em alguns locais é possível reconhecer facilmente o que é citado no diário dele”, disse a professora.

Caminhos de Darwin será composto por professores, cientistas e grupos de alunos de Ensino Médio. O trajeto percorrido pelo pesquisador a cavalo, em 16 dias, será refeito de carro, em apenas quatro dias. Para isso, a expedição deve parar aproximadamente duas horas em cada cidade. Durante esse tempo, além da inauguração das placas comemorativas, acontecerão palestras, exibição de vídeos e esquetes teatrais. Haverá ainda a participação de Randal Keynes, tataraneto de Darwin que acompanhará a expedição e ministrará palestra de encerramento em Niterói.

Nova expedição em 2009

Em 2009, é festejado o aniversário de 200 anos de Charles Darwin e de 150 anos de lançamento do livro A origem das espécies. Já pensando nas comemorações, está sendo planejada uma nova expedição, mais longa e mais duradoura, que visa reavivar a importância da passagem do pesquisador pelo Brasil.

— No diário de Darwin, nós vemos que ele ficou encantado com o que viu ao chegar ao Brasil, pois era a primeira vez que ele se deparava com uma floresta tropical. A passagem pelas cidades brasileiras foi, portanto, fundamental para que ele pudesse ter elementos que comporiam a Teoria da Evolução das Espécies — conclui Maria de Fátima Brito.