Categorias
Memória

Cerimônia encerra a Jornada 2007 de Iniciação Científica

A organização da XXIX Jornada Giulio Massarani de Iniciação Cientifica, Artística e Cultural da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) promoveu, na tarde desta quinta-feira, dia 22 de novembro, a cerimônia de encerramento do evento acadêmico que ocorre todo ano na Universidade.

 A organização da XXIX Jornada Giulio Massarani de Iniciação Cientifica, Artística e Cultural da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) promoveu, na tarde desta quinta-feira, dia 22 de novembro, a cerimônia de encerramento do evento acadêmico que ocorre todo ano na Universidade.

Seis coreografias de dança contemporânea, apresentadas por alunos e ex-alunos da Escola de Educação Física e Desportos (EEFD) da UFRJ, deram início à solenidade, que ocorreu no auditório do Centro de Tecnologia (CT/UFRJ) – Ilha da Cidade Universitária (Fundão).

Esbanjando muita desenvoltura e estilo moderno, as apresentações de dança precederam as formalidades da cerimônia, que foi comandada pela professora Sandra Maria Azevedo, coordenadora geral da Jornada.

Dentre os presentes na ocasião, estavam a professora Ângela Uller, Pró-Reitora de Pós-Graduação e Pesquisa (PR-2), representando Reitor; Helena Ibiapina, da Fundação Universitária José Bonifácio (FUJB); professor Nei Pereira Junior, superintendente da PR-2; os decanos, ou respectivos representantes, dos Centros que compõem a UFRJ, entre outros.

Após a mostra de dança, foram entregues as premiações aos estudantes que desenvolveram e apresentaram os melhores trabalhos na Jornada. Cada Centro da UFRJ elegeu seus dez trabalhos de maior destaque. O primeiro colocado de cada Centro foi premiado e os demais receberam as menções honrosas.

A Jornada, que mobiliza toda a UFRJ, representa um trabalho conjunto entre estudantes e professores, possibilitando um diálogo mais amplo entre o que acontece nas salas de aula e o que é feito nos laboratórios de pesquisa da Universidade.

Crescendo a cada ano

Os presentes na cerimônia lembraram o esforço dos alunos bolsistas e não-bolsistas para a realização da Jornada, que a cada ano apresenta um número maior de participantes e de trabalhos inscritos.

“Vivemos na era do conhecimento e a Universidade possui o papel fundamental não apenas de transmissora, mas também de produtora de novos conhecimentos, podendo revelar vocações para a área acadêmica entre os alunos”, afirmou Walter Suemitsu, decano do Centro de Tecnologia (CT) da UFRJ.

Para ele, ainda que nem todos os estudantes participantes da Jornada sigam pelo caminho acadêmico, quanto mais gente se envolve no evento, mais pessoas tendem a se identificar e optar por essa carreira na Universidade.

a Jornada também contribui para projetar os feitos da Universidade no que diz respeito às áreas científica e cultural: “O importante é que o conhecimento se amplie cada vez mais. A Jornada nos traz apenas pequenas amostras do muito que a Universidade tem, da sua capacidade de criação e de conhecimento”, ressaltou Helena Ibiapina.

Segundo a professora, o apoio dado ao evento é uma prioridade na FUJB e a tendência é que isso cresça cada vez mais. Ela também reconheceu que, caso houvesse mais recursos, muito mais poderia ser feito pela Jornada – como a concessão de um número maior de bolsas para os jovens cientistas.

A primeira Jornada foi realizada por Giulio Massarani em 1978, mas apenas no âmbito do Centro de Tecnologia e do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CT e CCMN). O evento de iniciação científica que, pela primeira vez, integrou toda a Universidade ocorreu apenas em 1985.

Já em 1993, foi assinado o convênio com o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PIBIC/CNPq), que obriga a realização anual da Jornada junto  à apresentação dos trabalhos dos bolsistas.

Há um crescimento visível do número de solicitações de bolsas – que em 2007 subiu 64% – e de trabalhos inscritos na Jornada. Neste ano, dentre os 3105 trabalhos inscritos, 3058 foram aceitos. O evento contou com 2611 autores bolsistas e 1508 não-bolsistas, estes últimos representando 36,6% do total, o que mostra que os alunos estão estimulados a participar das atividades de iniciação científica.

“Vocês, que vieram ser ou não premiados, são a razão do nosso esforço”, declarou aos estudantes da Jornada, com gratidão, o professor Marcelo Corrêa e Castro, decano do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH-UFRJ).