Categorias
Memória

Conhecendo a UFRJ

O projeto “Conhecendo a UFRJ” de 2007 contou com um recorde: aproximadamente dez mil estudantes do ensino médio e vestibulandos do Estado do Rio de Janeiro se inscreveram. Para atender a demanda, os inscritos foram divididos em dois grupos, que visitaram a universidade nos dias 13 e 14 de Junho.

  Veja o vídeo desta matéria  

 O “Conhecendo a UFRJ” de 2007 contou com um recorde de inscrição de aproximadamente dez mil estudantes do Ensino Médio e vestibulandos do Estado do Rio de Janeiro. Para atender a demanda, os inscritos foram divididos em dois grupos, que visitaram a universidade nos dias 13 e 14 de Junho.

O ponto de encontro foi a Escola de Educação Física e Desportos (EEFD), no campus do Fundão, onde foram distribuídas pastas com a programação do evento e crachás de identificação para os estudantes. Dentre as escolas presentes, estavam o Vestibular Comunitário da UFRJ, o Hélio Alonso, o Colégio Estadual Rubens Farrulla, o CETEP de Niterói e o Bahiense.

Em seguida, os visitantes reuniram-se no Ginásio Verdão da EEFD a fim de serem recepcionados por Laura Tavares Ribeiro Soares, pró-reitora de Extensão; José Roberto Meyer e Déia Maria Ferreira, respectivamente, pró-reitor e superintendente da Pró-reitoria de Graduação; Waldir Mendes Ramos, diretor da EEFD; e Luiz Otávio Langlois, coordenador acadêmico da Comissão de Vestibular da UFRJ. Eles enfatizaram a importância do evento como uma oportunidade de orientar melhor os vestibulandos na escolha da profissão e Laura Tavares foi ovacionada pela platéia ao defender um ensino superior público como um direito para todos.

José Roberto destaca a importância de a UFRJ abrir suas portas “para que os estudantes tenham uma noção mais clara do que é uma universidade federal, com seus problemas e qualidades. É uma chance de tornar esse universo mais palpável”.

– O evento foi bem organizado, mesmo eu já sabendo o que queria. Na verdade foi bom pra reforçar meu interesse, já que foi enfocado o mercado de trabalho que é muito importante também, além da formação da faculdade. Eu vim mais pra conhecer a universidade e o evento e achei bem legal mesmo, a estrutura, o espaço –  declarou Felipe Estrela, do Instituto Nícea Macieira.

Por fim, Luiz Otávio, detalhou o esquema do vestibular deste ano e apresentou algumas modificações em relação aos processos seletivos anteriores. “O grupo de Humanas foi dividido e, agora, os cursos de Direito, Filosofia, Ciências Sociais, História e Música compõem o grupo 6, em que foi incluída uma prova de Filosofia. A Engenharia também teve alterações. O critério de classificação é a nota final e não mais a ordem das subopções estabelecidas pelos inscritos. Além disso, os estudantes não mais podem escolher o semestre de ingresso na faculdade”.

Rosana Maria da Silva Corrêa, integrante da Comissão de Vestibular da UFRJ, explica que a Escola de Educação Física e Desportos foi organizada em espaços, cada um dedicado a um grupo de cursos de graduação. E todos contaram com palestras de seus respectivos coordenadores em horários especificados no panfleto distribuído para os alunos.

 Na opinião de Daniele Gouveia, estudante de educação física que participou da organização do evento, as palestras foram muito esclarecedoras. “Principalmente na palestra de engenharia, que teve uma participação efetiva dos visitantes, que chegaram a fazer 150 perguntas. Eles também ficaram surpresos com o espaço físico da universidade, já que existe a idéia da degradação e do abandono. Eles se surpreenderam ao encontrar um local bem cuidado, dentro das possibilidades”.

Além disso, foram montados diversos stands, em que graduandos da UFRJ esclareceram para os visitantes interessados as características de cada curso: os objetivos, a grade curricular, a infra-estrutura, etc. O stand de vestibular também esteve presente para orientar aqueles que pretendem concorrer pela isenção de taxas no vestibular da universidade, cujas provas começam em novembro.

– Eu achei o evento bem organizado, eu gostei muito, os estudantes daqui foram bem receptivos, os palestrantes foram simpáticos e pacientes, atendendo a gente com cuidado. Eu pretendo fazer história, mas depois das palestras cheguei a questionar isso porque elas foram muito bem feitas. Quanto ao espaço, é muito maior do que eu imaginava, muito mais bonito também – finaliza Mainã Zago – Colégio Isa.